Mushoku Tensei: Isekai Ittara Honki Dasu (NW)

Volume 7

Capítulo 63.55: Abordagem Súbita

 

 

Chegou a primavera, depois o verão. O tempo passou rapidamente e logo um ano desde a minha chegada a Rosenburg. Eu já era bastante conhecido aqui. As pessoas falavam de “Ludeus the Quagmire” mesmo nos pequenos vilarejos próximos. E mesmo assim eu não tinha ouvido falar de Zenith.

De qualquer forma, fiquei em Rosenburg ao invés de me mudar para a próxima cidade.

“Bom trabalho novamente hoje”.

“Bom trabalho!”

“Bom trabalho!”

Hoje levantei mais uma vez meu copo de alegria com os membros do Counter Arrow.

“Você nos salvou de novo. Esse é o nosso Quagmire!”

“Não, não. Só fui capaz de fazer tanto por causa de como todos vocês são habilidosos”. Eu insisti.

“Lá vai você novamente, sendo todo humilde. Vamos lá, você foi incrível o suficiente para entrar numa floresta à noite sozinho”.

Desde aquele incidente, tenho passado cada vez mais tempo trabalhando ao lado do Counter Arrow. Não foi uma coincidência, eles foram bastante deliberados em me convidar para missões agora. Inicialmente eu pensava que era um acaso do momento, mas eles estavam sempre presentes quando eu aparecia na Guilda dos Aventureiros para me convidar. Mesmo alguém tão burro quanto eu percebeu que era intencional.

Inevitavelmente, isso significava que eu estava indo cada vez menos a missões com outras pessoas. Anteriormente, eu só tinha feito parceria com o Counter Arrow uma vez a cada cinco vezes. Depois se tornou um em três, depois um em dois, e agora quatro em cinco. Neste momento, eu era basicamente um membro do grupo deles.

“… Como você sabe, meu pai era um caçador, então eu pratico com um arco desde pequeno. É por isso que estou usando um agora, mas é um pouco constrangedor como aventureiro”. Sara disse.

“Meu pai era um cavaleiro. Aparentemente, antes de eu nascer, ele planejava ensinar a seu filho o jogo de espadas se ele tivesse um filho e magia se ele tivesse uma menina. Mas eu era mais talentoso em magia do que em espada, então ele recrutou um mago chamado Roxy da cidade de Roa para atuar como um tutor doméstico para mim”.

Outra coisa havia mudado, Sara e eu estávamos muito mais próximos. Quando acampávamos durante as missões ou íamos beber depois, ela naturalmente se sentava ao meu lado e conversava. No início estas conversas eram em grande parte sobre trivialidades, mas ultimamente tínhamos começado a falar sobre nossa infância e de onde viemos. “Foi assim que a Roxy se tornou minha professora. Ela também foi realmente incrível”.

“Uh-huh”.

“Ela era um demônio e mesmo assim tentou o seu melhor entre os humanos. Ela era tão direta e não se deixava abater, mesmo quando aconteciam coisas ruins. Olhando para ela, eu só…”

“Uh-huh. Estou vendo”.

Seu humor seria azedo dependendo do tema da conversa, mas, em geral, achei que estávamos nos entendendo bem.

Sara era de um vilarejo no limite oeste da região de Milbotts, perto do centro do Reino Asura. Ela nasceu de pais que eram caçadores e cresceram ajudando-os desde muito jovens. Um dia, quando ela tinha cerca de dez anos de idade, monstros saíram de repente da floresta próxima e seus pais foram mortos.

Órfã e sozinha, a Sara foi acolhida pela Suzanne. Suzanne e Timothy estavam no mesmo grupo na época, mas os outros membros eram completamente diferentes. Eles eram aventureiros que haviam sido enviados de uma aldeia próxima para lidar com a praga dos monstros.

O número de animais era impressionante, assim como o número de aventureiros que foram e os ferimentos que resultaram da luta. O grupo inteiro, exceto Suzanne e Timothy, foi exterminado. Mimir e Patrice haviam se encontrado em situação semelhante. Assim, a Contra Seta foi formada por aventureiros que sobreviveram depois que a horda de monstros na região de Milbotts pereceu.

Naquela época, o Counter Arrow era apenas um grupo classificado em D. Depois que Sara se tornou uma aventureira, ela os ajudou, elevando rapidamente seu próprio posto. Logo, ela se tornou membro oficial também. Ela supostamente já tinha um talento para o tiro com arco, mas mesmo assim, seu progresso foi incrivelmente rápido.

O Counter Arrow continuou a trocar membros em seu progresso em direção à categoria B. Quando o conseguiram, já quase não havia mais trabalho no centro do Reino Asura. Depois de saltar pelas áreas rurais, os membros decidiram se mudar para um local mais desafiador. Eles não sabiam se deveriam ir para o norte ou para o sul, mas já estavam operando dentro da região de Donati, que ficava próxima aos Territórios do Norte. O norte também foi o local de nascimento de Timothy e ele conhecia a terra. Então, no final, eles decidiram vir para cá.

Bem, tudo isso à parte… Sara era filha de um caçador, hein? Assim como Sylphie. Eu me perguntava onde Sylphie estava agora mesmo e o que ela estava fazendo.

“Quando ouvi o nome Greyrat, imediatamente pensei que você era filho de uma das famílias nobres de Asuran. Parecia-me que você estava tentando fugir porque as coisas não estavam indo bem para você em casa”.

Assim, no início ela ficou furiosa comigo porque entendeu mal minhas origens e a razão pela qual eu estava fazendo as coisas. Preconceito, em outras palavras.

“Bem, o nome Greyrat é famoso no Reino da Asura”. Eu concordei.

“Mesmo assim, você não é um desses Greyrats, é?”

“Sim, uh, aparentemente sou parente deles”.

“Oh. Então você está…” Ela arrumou seus lábios.

“Quero dizer, claro que não sou nobreza. Portanto, não se preocupe com isso”.

Após um breve momento, Sara disse: “Quando aqueles monstros saíram da floresta, a nobreza deu todas aquelas desculpas para não enviar cavaleiros. É por isso que tantos morreram”.

“Será que o senhor feudal fez mesmo isso?”

“Sim. Foi o que eu ouvi”.

“Oh… Bem, às vezes as pessoas usam a perda como desculpa para criticar a nobreza. Talvez houvesse outros nobres que o impedissem de ajudar”. Eu expliquei.

“Mesmo assim, foi cruel. Os que morreram eram aldeões”.

É por isso que ela tinha tanto desprezo pela nobreza. Sara acreditava que mesmo os filhos de nobres que nada tinham a ver com o assunto, como eu, cresceriam para cometer tais crimes.

“Entretanto, até a nobreza tem seus problemas”. Eu disse, lembrando como suas posições pareciam difíceis para Philip e Sauros.

Philip tinha seus planos, mas independentemente do que você pensava do velho Sauros, ele se importava com aqueles que ele governava. Embora ele tivesse parecido um pouco violento em sua abordagem das coisas.

Em última análise, aqueles que ignoravam as pessoas que governavam eram aqueles que não viviam entre eles, particularmente aqueles que residiam na capital. Eles não se preocupavam com sua região ou com seus cidadãos e impediram que aqueles que de outra forma poderiam ajudar se mudassem. Sauros foi uma das vítimas de tal mentalidade e perdeu sua vida por causa disso.

Mesmo assim, ele não podia culpá-los completamente pelo que fizeram. Os nobres viviam em seu próprio mundo e tinham suas próprias batalhas. As pessoas tendiam a esquecer tudo, exceto o que estava à sua frente.

“Desculpe, eu o ofendi?” como eu estava preocupada com tais pensamentos, Sara se aproximou, como se assustada pelo meu silêncio, e colocou sua mão sobre a minha. Sua palma estava dura e endurecida, calejada por ter atirado centenas de milhares de flechas. Ainda assim, seu aperto era forte e quente.

“Não, você não me ofendeu. Eu só estava me lembrando de meus parentes. Eles eram nobres e morreram durante o incidente do deslocamento”.

“Oh… então foi isso. Sinto muito. Mesmo que você não seja nobre, você ainda conhece pessoas que são”.

“Por favor, não se preocupe com isso. Tenho certeza que eles não estão relacionados com o que aconteceu com seu povo”.

Embora Philip tivesse mencionado a maldade de seu irmão em algum momento, talvez o nobre que havia retido a ajuda da aldeia de Sara tivesse sido alguém relacionado à família Boreas. Além disso, a vila estava localizada na região de Milbotts, supervisionada pela mesma Notos Greyrat da qual Paul havia fugido. Era muito provável que eles estivessem envolvidos. Era uma questão bastante complicada, porém, por isso não mencionei o assunto.

“Eles ainda morreram, não foi?”

“É isso mesmo”.

“Então isso foi insensível da minha parte. Sinto muito”.

Deixei-o pedir desculpas, mas na verdade, isso não me incomodou. Provavelmente porque os nobres de quem ela falou não eram nada parecidos com os que eu conhecia. Talvez eu tenha tido apenas sorte de que Philip e Sauros eram boas pessoas.

“Oh, um… isto é uma ligeira mudança de assunto, mas…”

“Sim?”

“Na verdade, veja, eu quero tentar usar um pouco a espada. É difícil usar um arco à queima-roupa, então pensei em ter Suzanne me ensinando a usar uma espada, para começar”.

Foi uma mudança abrupta de assunto, mas fez sentido, dado o quanto a conversa anterior havia sido embaraçosa. Isto era o que significava “ler a situação”. Uma habilidade valiosa que outra garota que ela conhecia não possuía.

“Certo, não é como se você pudesse levar suas flechas e apunhalar monstros com elas”. Eu concordei pensativamente.

“Sim. Não é que eu tenha muita chance de chegar tão perto enquanto estiver em um grupo. É por isso que eu tenho usado minha faca utilitária em vez de uma espada até agora. Mas, bem, não me surpreende que tenha quebrado ontem”. Sara pegou a faca em questão e a colocou sobre a mesa. Fiel a suas palavras, um terço da faca havia quebrado. Ainda poderia ser usado para entalhar madeira e afins, mas seria inútil em batalha.

“Huh. Imaginei que seu arco seria o primeiro a quebrar”.

“Eu mesmo fiz o arco, para que eu possa sempre fazer um novo se ele se partir. Eu posso usar galhos das árvores desta área para fazer um muito bom”. Sara explicou.

Os arcos não eram populares, portanto não eram tipicamente vendidos em lojas de armas. No entanto, como a cidade tinha uma abundância de madeira para usar em utensílios mágicos e aduelas, ela aproveitou para fazer seus próprios arcos. O mesmo vale para suas flechas, é claro.

Eu me perguntava quando ela havia encontrado tempo para fazê-las, mas depois me lembrei como ela branqueava a madeira com sua faca antes de dormir, quando acampamos. Ele provavelmente tinha as penas para as flechas preparadas de antemão e as fez quando estava livre.

“Tenho economizado algum dinheiro desde que tivemos uma série de missões bem sucedidas ultimamente, e estava pensando em comprar uma espada curta”.

“Tudo bem”.

Ela continuou. “Então, Ludeus, você está livre amanhã, você quer ir comprar comigo? Você é um espadachim de ranking intermediário, então você pode distinguir entre uma espada boa e uma má, certo?”

“Não, eu não tenho idéia. Mas claro, vamos juntos”.

“Combinado!” Ela declarou, radiante.

“Ooh?”.

“Vocês dois estão indo sozinhos? Isso é lindo”. Um rápido olhar sobre Suzanne e Timothy mostrou que ambos estavam sorrindo. Foi então que percebi o que significava o convite de Sara.

Era uma data.

***

 

 

Há muito tempo que eu não tinha um encontro. Quando foi a última vez que eu tive um? Tinha que ser no Reino Santo de Millis, quando fui comprar roupas com Eris. Naquela época, nós baseávamos nossas compras na observação de pessoas.

Falando em roupas, a única coisa que eu tinha era meu manto gasto. Eu não tinha tido tempo de comprar nada novo e, por isso, não tinha senso de moda para começar. Suponho que eu poderia imitar o estilo de rua local, mas infelizmente, não havia muitas pessoas na moda em Rosenburg para usar como referência.

Não, não havia necessidade de ser tão particular sobre como eu me vestia. Eu estava apenas acompanhando ela enquanto ela fazia as compras. Estávamos saindo para comprar uma simples espada. Eu não podia me deixar levar por pensar nisso como uma data. Nós dois estávamos nos entendendo agora, mas era só isso. Eu não podia me deixar pensar que ela estava interessada em mim, ou que isto poderia ir a qualquer lugar. Eu não sou mais virgem. A Sara provavelmente também não estava se arrumando muito bem.

Sim, vamos fazer isso como sempre fazemos, eu disse a mim mesmo. Seja normal. Eu serei o Ludeus natural hoje.

“Desculpe por tê-lo feito esperar. Vamos”.

Enquanto eu estava preocupado com estes pensamentos na sala de jantar da pousada, Sara veio me ver. Ela parecia muito bonita quando eu olhava para ela. Petite, com um corte de cabelo loiro, curto e macio, além de um aroma sedutor ao seu redor. Ah, ela parecia como se tivesse escovado o cabelo; tinha sido muito confuso em nossa última missão juntos. Até mesmo suas roupas eram um pouco diferentes. Ela não estava super vestida, mas eu percebi que ela tinha feito um esforço. Sua habitual couraça de couro e seu estremecer de flechas não estavam em lugar algum para serem vistas, e ela usava roupas leves sob seu casaco habitual. Não estava na moda, mas muito poucos aventureiros tinham um grande guarda-roupa. Ela havia tentado parecer apresentável.

E agora ela entendia o quanto eu era denso. Aparentemente, ela estava interessada em mim. Eu suspeitava que também sabia a razão disso, aquele incidente na floresta. Sem querer, de alguma forma, eu tinha me metido no seu caminho. Era apenas um vínculo de crise, eu tinha certeza, mas ao menos saber a razão me trouxe algum alívio.

Eu não não gostei dele. Ele certamente tinha sido hostil a mim no início, mas tinha suas razões. Ela até pediu desculpas por suas ações, embora elas nunca me tenham incomodado para começar. Saber que ela estava interessada em mim me causou um medo interior, mas eu não estava totalmente insatisfeito com isso. Eu não tinha nenhum sentimento particularmente forte por ela, é claro, mas se as coisas eram assim, por que não ir com o fluxo? Afinal de contas, eu não sou mais virgem!

Não, acalme-se. Eu mesmo me aconselhei. É perigoso morder mais do que se pode mastigar. Você estará repetindo o mesmo erro que cometeu da última vez. Você precisa manter sua distância aqui.

“O que há de errado?” perguntou Sara.

“Nada, vamos lá”.

Sara ficou ligeiramente à minha frente enquanto caminhávamos, ainda perto o suficiente para nos vermos com um olhar de lado. Foi uma formação de aventureiros suficientemente próxima para caminhar lado a lado, com a capacidade de se mover instantaneamente lado a lado, se necessário. No entanto, hoje estava um pouco mais perto do que o normal. Perto o suficiente para que nossas mãos pudessem tocar.

“Este é o lugar”.

Nosso destino era uma respeitável loja de armas: a Loja de Leilões, propriedade administrada por uma enorme empresa sediada na capital asurana de Arus, cujos produtos eram em grande parte importados daquele reino. A empresa não era tão conhecida até recentemente, quando a qualidade de suas importações aumentou acentuadamente e suas lojas cresceram rapidamente em popularidade. De fato, o proprietário do carro que eu viajei quando deixei o Reino Asura deve ter trazido mercadorias para esta mesma loja. Embora a loja parecesse bastante comum, ela seria um pouco intimidadora para os aventureiros.

“Este lugar parece caro”. Eu comentei.

“Sim, mas eu tenho o dinheiro, então eu pensei em comprar algo decente”.

A produção de implementos mágicos em Basherant estava em plena expansão. Desde que você pudesse pagar um preço justo, você poderia obter itens de melhor qualidade aqui do que em Asuran; mas, por outro lado, a seleção era limitada. Acho que ele escolheu esta loja por causa da variedade de suas importações do Reino Asurano.

O valor de uma boa espada curta não poderia ser subestimado. Na pior das hipóteses, uma arma secundária como essa poderia salvar sua vida.

“Bem-vindo!” Um dos funcionários da loja nos cumprimentou energicamente quando entramos. Uma infinidade de armas estava diante de nós. A maioria deles eram espadas longas, mas também havia bastonetes, chicotes e armas contundentes como tacos e maças. A única coisa que faltava eram armas como lanças ou arpões. As pessoas deste mundo as evitaram, considerando-as “armas do diabo” devido ao seu uso pela Super-Tribo. Como aventureiro, você não poderia se dar ao luxo de comprar armas de tão mau presságio.

Navegamos casualmente através de sua seleção e nos dirigimos ao canto onde as espadas curtas eram mantidas. As espadas de alta qualidade foram expostas na parede, enquanto as de qualidade média foram dispostas em prateleiras. Os particularmente baratos e de baixa qualidade foram jogados em uma caixa para serem revistados.

Excluímos os mais caros da consideração. Eles foram tentadores, com certeza, com vários encantados entre eles, mas Sara não tinha dinheiro para isso. Em geral, procuramos as armas de nível médio. Estes foram feitos por ferreiros famosos, e embora não tivessem efeitos especiais, eram robustos, afiados e bem equilibrados. Eles tinham um custo alto, mas tinham a qualidade a condizer.

Quanto aos mais baratos, eles não eram ruins se você os comprasse novos, mas se você não prestasse atenção à manutenção, eles se gastavam rapidamente. Com uso freqüente, eles poderiam durar dois anos. A maioria das pessoas pensava que eram armas descartáveis.

“É muito difícil decidir”. Sara disse.

“Esta é sua primeira vez em uma loja como esta?”

“Não, mas como você sabe, eu uso um arco. Até minha outra espada curta comprei barata e em segunda mão de uma banca na rua, e os arcos que eu mesmo faço”. Sara olhou para as opções à sua frente, estudando cuidadosamente cada uma delas ao pegá-las para verificar o saldo.

Eu também tinha uma faca, embora não me lembrasse onde a tinha comprado – talvez a tenha apanhado ao acaso no Continente Demoníaco? Espere, não, essa estava gasta, então acho que a troquei por uma nova no Reino do Rei Dragão. Talvez fosse a hora de eu comprar outro.

Com esse pensamento em mente, também examinei algumas das espadas curtas. Alguns tinham lâminas mais longas, outros tinham lâminas mais curtas, alguns eram leves, outros eram pesados. “Espada curta” era um nome simples e categórico, mas havia muita variedade dentro da categoria. Ele não havia planejado comprar um hoje, mas seria bom ter um à mão, por via das dúvidas.

“Hmm, talvez este,…ou este…eu me pergunto qual eu deveria escolher. Qual você acha, Ludeus?”

Quando olhei para trás, Sara tinha duas lâminas na mão. Um era ligeiramente curvo e tinha vinte centímetros de comprimento, enquanto o outro tinha trinta centímetros de aço reto.

 

 

Mushoku Tensei Volume 7 Capítulo 63.55 Romance Web

 

“Vamos ver…” Eu testei cada um na minha mão. Havia uma clara diferença no peso e no equilíbrio. Depois de levantá-los, eu os levantei, o curto e curvo. “Isto seria melhor para esculpir madeira em flechas”. Tinha um equilíbrio mais confortável. Isso certamente fez dela a melhor escolha para trabalhos delicados. “Mas se você o quer para combater monstros, então este é melhor”. Eu lhe devolvi a outra espada. Tinha uma lâmina longa e grossa e parecia que ia causar um grande impacto ao ser varrida de lado. Mas na realidade, eu não tinha idéia de quão forte era.

“Muito bem… hmm.”

Eu não era particularmente conhecedor de espadas, mas ela pediu minha opinião e teria sido indelicado não dar uma resposta. “Você não o usa principalmente para fazer flechas?” perguntei eu.

“Sim, mas também quero ser capaz de usá-lo em uma situação de emergência”.

“Então por que você não compra os dois?”

Sara balançou a cabeça. “Eles seriam muito pesados”. Além disso, eles atrapalhariam quando eu fosse usar meu arco se eu tivesse duas espadas penduradas na cintura”.

“Então que tal você comprar uma faca barata para fazer flechas que você possa guardar em sua bolsa? Também poderia ser uma arma de reserva”.

“Sim, isso pode funcionar…” ele começou a dizer. “Mas isso é muito dinheiro”.

“Se você quiser, posso ajudá-lo a pagar por isso”.

Sara balançou a cabeça. “Eu me sentiria mal”.

“Você pode me deixar ajudar de vez em quando”. Eu disse, tirando uma moeda do meu bolso.

Honestamente, eu mal tinha gasto nada no ano passado. Eu só gastava com as necessidades, e mesmo assim, não usava muito. Minha renda excedeu em muito minhas despesas diárias. Como eu não gastei nada em entretenimento, acabei acumulando alguma riqueza. Eu tinha dinheiro suficiente para comprar uma ou duas espadas curtas.

“Muito bem”. Ele finalmente concordou. “Mas estou apenas pedindo o dinheiro emprestado”.

“Tudo bem. Então, pague-me quando puder”.

Sara era muito particular quando se tratava de pagar dívidas. Mesmo quando eu lhe disse que a levaria para almoçar fora, ela insistiu que estava apenas pedindo o dinheiro emprestado. Eu não me importava se ela me pagava de volta ou não, mas ela insistia em me pagar de volta, então eu lhe pediria para me compensar de outras formas, como assumir o meu próximo relógio. Não que eu me importasse com suas tentativas sinceras de me reembolsar.

“Está tudo bem!” Sara ficou muito bonita quando sorriu.

***

 

 

Em seguida, inspecionamos as outras lojas da região, que incluíam lojas que vendiam armaduras e engenhocas mágicas. Entre estes últimos estava uma loja que normalmente nunca entramos, cheia de itens de preço exagerado em exposição. Os aventureiros não tinham muito negócio com tais lojas; as mercadorias encontradas nesta loja custaram um ano inteiro de nossa renda. Portanto, é claro, só vimos o que estava disponível.

Os itens mágicos neste mundo eram em grande parte coisas como eletrodomésticos ou itens com efeitos mágicos de nível iniciante. Embora a pesquisa sobre esses itens estivesse progredindo, os itens produzidos eram relativamente grosseiros. Por exemplo, havia um objeto quase como um isqueiro que cuspia fogo se a mana fosse canalizada para dentro dele. Pode parecer uma invenção conveniente, mas era muito difícil de carregar, já que era do tamanho do meu punho.

Quando terminamos de olhar para as coisas, fomos tomar uma bebida. Selecionamos um bom restaurante…. brincadeira! Fomos ao nosso bar habitual. Afinal, ambos éramos aventureiros e Sara não era bem versada em etiqueta formal. Essa etiqueta me fez lembrar do meu passado, então isso funcionou melhor para mim também.

“Vendo tudo o que me fez querer uma nova couraça também”. Sara suspirou.

“Acho que vou ficar com esta capa. Eu gostei muito”.

“Há quantos anos você o usa?”

“Dois ou três anos, acho eu”.

“Definitivamente durou para você”. Eu acenei com a cabeça de acordo. “Mas as mangas estão começando a se desgastar um pouco”.

“Por que não comprar um novo?”

“Hmm. Prefiro esperar até que esteja completamente desgastado”.

“Bem, talvez eu faça o mesmo então… mas então novamente, o meu é equipamento de proteção”. Eu provavelmente deveria substituí-lo mais cedo. Você nunca sabe o que vai acontecer em combate”.

Conversamos sobre as compras do dia enquanto eu comia minha sopa habitual de carne e feijão, mais uma salada de legumes disponível somente no verão. Pensando bem, Eris não estava muito entusiasmado com este tipo de conversa. Nenhum de nós era do tipo que passasse muito tempo fazendo compras, nem estávamos interessados em roupas. Eris também não era terrivelmente dotado de palavras.

No entanto, isto foi bastante divertido.

“Ela não parece ter sofrido muitos danos”. Eu comentei, referindo-me à sua couraça.

“Sim, mas eu comprei há bastante tempo, então começou a ficar apertado”.

“Apertado…?” o que isso significava? Eu tinha uns quinze anos; pelos padrões deste mundo, eu já era um adulto, embora ainda estivesse no processo de puberdade. E a puberdade significava crescimento em certas áreas.

“Por que você está corando?” ela franziu o sobrolho para mim. Ainda me faltava experiência quando se tratava de conversar, aparentemente. “Jesus, homens!”

Mesmo assim, acho que não me saí muito mal. Sara não parecia muito chateada ou exasperada comigo.

“Ahh, eu acho que fiquei um pouco bêbado. Eu tendo a beber muito quando estou com você”. Sara confessou depois de algumas bebidas.

“Sério?”

“Sim. Por alguma razão… Eu tendo a relaxar quando você está perto de mim”. Ela disse, encostando seu corpo contra o meu. Nossos ombros escovavam e eu podia sentir o calor de seu corpo infiltrando-se no tecido de suas roupas.

Isto é o que eu acho que é, não é? Como se eu tivesse uma chance aqui…

Para testar minha hipótese, enrolei meu braço em torno de sua cintura. Eu esperava que fosse muscular, mas na verdade era macio e fino. Honestamente, este simples toque foi o suficiente para me satisfazer por hoje. Ou assim eu pensava, mas depois ela colocou sua mão em mim. Com olhos um pouco úmidos, ela olhou para mim. “Ludeus…”

“S-Sara…” Nossos corpos pareciam estar cada vez mais próximos uns dos outros.

Muito bem, eu decidi, vamos fazer isso.

Achei que era hora de esquecer o passado e seguir em frente. Eu não poderia agarrá-la para sempre. Há apenas um ano, eu havia decidido olhar para o futuro e seguir em frente. Isso significava deixar Eris para trás e passar para o próximo romance.

Essa era a coisa certa a fazer. As coisas com o Eris tinham acabado. Ele precisava iniciar um novo capítulo. Não havia tempo a perder.

Eu puxei meu braço para trás e fiquei de pé. “Está ficando tarde, e se voltássemos? Eu te acompanho ao seu quarto”.

Mesmo assim, eu tinha que ser cauteloso. Eu não podia me deixar levar de novo como fiz com o Eris. Se este romance terminasse como o último, eu não seria capaz de voltar a me recompor. Eu precisava esperar pela hora certa, não é verdade, Paul?

Enquanto eu pensava nisso, pagamos nossa conta e saímos daqui. No momento em que o fizemos, Sara subitamente se pressionou contra mim.

“Quero falar com você mais um pouco”. Suas palavras se arrastaram um pouco. Suas bochechas coradas e sua cabeça enrolada. Talvez ela tivesse bebido um pouco demais, mas talvez isso não tenha sido uma coisa ruim.

Quanto a mim, caso você estivesse se perguntando, eu não tinha consumido uma gota. “Hum, bem, vamos a outro bar?”

“Hmm.” Ele bateu seu dedo contra o queixo e olhou para o céu. Então, completamente indiferente, ele murmurou: “Podemos ir para o seu quarto?

Será que ele entendeu o que ela estava dizendo? Não… mesmo que ele não o fizesse, eu só tinha que resistir à tentação.

Espere, espere, talvez eu não tenha que resistir a ela?

Basta ir com o fluxo, eu disse a mim mesmo, ir com o fluxo. Há um momento estávamos de bom humor. Desde que ela estivesse bem com isso, não havia nada de errado em deixar as coisas seguirem seu curso natural.

“Uh, hum, w-well! Vamos então seguir em frente, vamos?”

“Está bem.” Ela concordou, sem características de mansidão, pois ligou gentilmente seu braço ao meu. Seus seios, nem particularmente grandes nem pequenos, pressionados contra o meu braço. O calor deles parecia que estava me queimando. Eles eram tão macios, tão verdadeiramente, verdadeiramente macios.

As garotas deste mundo, tanto Eris como Sara, com certeza foram assertivas.

Mais uma vez, tive a repentina e distinta sensação de que algo estava errado. O que era exatamente essa sensação? Parecia que eu já tinha vivenciado isso antes, mas desta vez algo era diferente. Quero dizer, quando toquei no peito do Eris senti uma faísca, aquela sensação, não a senti desta vez. Algo estava faltando.

Bem, não importa. Por enquanto eu me deixaria maravilhar pela suavidade dos seios da Sara.

Espere, não, acalme-se! Eu me empenhei. Desde que você consiga definir o humor certo, você pode sentir seus seios com mais do que apenas seu braço superior.

Senti meu coração palpitar. Minha respiração não soou muito errática, soou?

“Estamos aqui”. Eu anunciei.

“Sim, você vai ficar no terceiro andar, certo?” perguntou Sara.

Voltamos para a pousada com nossos braços entrelaçados e o proprietário pareceu surpreso quando nos viu. Ele riu e desapareceu na cozinha antes de voltar imediatamente e atirar algo em mim. Eu o peguei instintivamente. Era um frasco. Eu não sabia nada sobre os tipos de álcool, mas provavelmente era muito caro. Ela acenou para mim como se dissesse “Boa sorte” e depois se retirou para a cozinha.

Sondei o rosto de Sara, mas ele me disse pouco. Suas bochechas não estavam mais tão ruborizadas, nem estava tão tonta que desmaiasse. Eu também não tinha idéia do que ela estava pensando.

“O quê? Apresse-se e me leve para o seu quarto”. Ela disse.

Então, eu a conduzi pelas escadas acima. A pousada estava muito tranqüila, com poucas pessoas ocupando seus quartos. Os degraus rangeram quando subimos para o próximo andar, fazendo meu coração correr sem aviso prévio.

Sim, minha respiração tinha definitivamente se tornado errática.

“Aqui”. Eu disse.

“Obrigado por me deixar entrar”. Sara entrou na sala sem comentar a minha respiração errática.

Coloquei a garrafa que tinha acabado de receber em minha mesa. Depois comecei a tirar minha capa…espere, não. Eu precisava acender uma fogueira primeiro. Não! Era verão agora; não precisávamos de uma. Afinal, eu acabei tirando meu manto.

Enquanto eu me arrastava furtivamente, incapaz de acalmar minha mente, Sara já havia tirado seu casaco, pendurado e agora estava empoleirada na minha cama. É isso mesmo, minha cama. Não a cadeira ao lado dela, mas a cama em si.

 

Mushoku Tensei Volume 7 Capítulo 63.55 Romance Web

 

Senti que era a primeira vez que uma garota se sentava na minha cama, mas isso não podia ser verdade. “Você quer algo para beber? Eu tenho álcool e água”.

“Você tem água?”, perguntou ela, surpresa.

“Eu sou um feiticeiro, então posso fazer isso”.

“Uh-huh”.

Tentando empatar pelo tempo, enchi um copo com água. Espere, eu tinha lavado este copo? Eu era bastante preguiçoso quando se tratava desse tipo de coisa. Uhh…. “Esqueça isso, venha aqui”. Ele disse.

“Sim! agora mesmo!” Eu me movi como se ele tivesse me puxado magneticamente e eu me sentei ao seu lado, bem onde ele tinha me dado um tapinha para me puxar.

Nossos corpos ficaram muito próximos uns dos outros. Muito perto. Muito perto, oh meu Deus.

“Você sabe…” Sara começou.

“Sim”.

“Estou muito grato a você. Se você não tivesse voltado por mim então, eu estaria morto”.

“Sim”.

Ela só queria ter uma conversa séria? Era disso que se tratava? Nossos ombros já estavam tocando e tudo o que eu podia ver era a pele branca pálida de sua clavícula e o inchaço de seus seios logo abaixo. Apesar de tudo isso, ela queria que eu tentasse ter uma conversa séria com ela….

De repente, ela me olhou de relance. Nossos olhos se encontraram, rostos tão próximos de nossos narizes quase colidiram. Seu rosto encheu minha visão e encontrei meu reflexo no azul dos olhos dela.

“É por isso…um…. você pode fazer isso”.

Eu a empurrei para a cama. Não havia etiqueta, nem boas maneiras. Mas não pensei ter usado muita força. Forcei meu entusiasmo lembrando-me de que eu não era mais virgem e me movi o mais suave e gentilmente possível. Agi meticulosamente, com cautela, para não cometer nenhum erro. Para que o passado não se repita.

Eu a deitei, beijei-a, acariciei-a, tirei suas roupas, acariciei mais um pouco, beijei-a novamente, e depois tirei minhas roupas. É quando…

“Huh?”

Eu percebi.

“…Huh?”

Finalmente percebi o que vinha fazendo de errado na minha cabeça durante todo este tempo.

O corpo de Sara era esbelto, tonificado, com linhas bronzeadas distintas desenhando bordas onde suas roupas haviam estado. Um corpo lindo, um corpo maravilhoso. Uma que não deixou nada além de desejo.

Não, não havia nada de errado com ela. O problema estava em mim. Meu corpo era o que levantava uma bandeira vermelha. Ou, para ser mais preciso, eu não estava levantando nenhuma bandeira. Não estava levantando absolutamente nada. Eu não estava respondendo em absoluto.

“…O quê?”

Normalmente, neste tipo de situação, meu membro acenava com orgulho, como se estivesse esperando por este momento. Este era meu filho, meu companheiro de luta, que estava comigo há dezesseis anos.

“… Huh?”

E ele não estava de pé.

Tentamos uma variedade de coisas. Eu tentei me estimular. Tentei que a Sara me tocasse. Eu tentei me esfregar contra ela. Mesmo assim, ela continuava pendurada a coxear. Finalmente, uma vez exaustos, nos afastamos um do outro e, sem palavras, mantivemos alguma distância. Eu me sentei na cadeira enquanto ela ficava na cama.

Minha cabeça estava uma bagunça completa. Foi a primeira vez que isto aconteceu.

Por que, como, quando… quando isso começou? Isso foi totalmente estranho! Por que isso, de repente, depois de ter sido tão malcriado e rebelde até agora?

O que estava acontecendo com meu corpo?

Minha visão se estreitou e minha boca ficou seca. Somente meu coração continuou a bater enquanto eu afundava na confusão, consciente de que meu rosto devia estar pálido como um lençol. Senti-me patético, ansioso e arrependido.

“Ei!” Sara gritou. Em algum momento, ela havia colocado suas roupas de volta. Não apenas sua roupa íntima e sua roupa interior, mas também o casaco que ela tinha encolhido quando chegamos. Ela também não estava mais sentada na cama, é claro. Agora ela tinha se aproximado da porta, onde suas costas estavam para mim. “Não é como… eu tenho sentimentos por você ou qualquer coisa assim”.

“Huh?”

Ele não se virou enquanto falava. Suas palavras vieram rápido, como se ele estivesse me empurrando. “Foi… uma forma de lhe agradecer. Sim, para lhe pagar pelo que você fez. Portanto, não fique com a idéia errada. A única razão pela qual fiz isso foi porque me senti obrigado”.

“Obrigada”? Então a única razão pela qual ela passou todo esse tempo comigo foi por obrigação? Ela só agiu tão doce comigo porque eu a ajudei e ela sentiu que me devia? Não teve nada a ver com o fato de ela gostar de mim, foi isso?

“Tchau, então!” Ela disse quando abriu a porta e escorregou para fora da sala.

“Ah, espe…”

Pouco antes de ela sair totalmente, ouvi-a murmurar: “Que confusão”. Atingido, eu me masturbei e engoli minha exclamação. Seus passos descendo as escadas foram filtrados para dentro da sala.

“…Ah”.

Fiquei sem palavras. Apesar de tudo, tinha acontecido novamente.

Onde eu errei? Eu devo ter estragado algo novamente, certo? Teria sido talvez assim que Eris também se sentiu? Teria ela ficado completamente indisposta naquela noite e simplesmente suportou seu desagrado até o fim, por minha causa?

Por que isso estava acontecendo, era assim que as coisas iriam ser sempre a partir de agora?

“Está frio”.

Sentindo frio, voltei a vestir minha roupa íntima. Puxei minhas calças e camisa de volta e encolhi o manto sobre os ombros. Mesmo assim, eu ainda sentia frio. Era o tipo de frio que o deixava frio até o núcleo, o tipo em que você não conseguia se aquecer, não importava quantas camadas de roupa você tivesse vestida. Era o tipo de frio que precisava de algo mais para mantê-lo afastado.

“Acho que isto vai funcionar”. Peguei a garrafa que havia deixado sobre a mesa.

0 0 votes
Qualificação do Capítulo
Subscribe
Notify of
guest
This site uses User Verification plugin to reduce spam. See how your comment data is processed.
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments